Logotipo Original Sunne
Moinhos de vento e estrada sinuosa para artigo sobre geração distribuída de energia

Saiba qual o futuro da geração distribuída no Brasil

O Brasil se encontra em um momento crucial em sua história energética. Nesse cenário, a geração distribuída surge como uma alternativa promissora, com potencial para revolucionar o setor elétrico do país.

Isso, pois cresce a busca por fontes de energia mais limpas e sustentáveis se intensifica, impulsionada pelas mudanças climáticas e pela crescente demanda por energia. 

Neste artigo, vamos explorar o futuro da geração de energia distribuída no Brasil, O caminho que a geração distribuída fez até aqui, você vai ficar por dentro também dos principais desafios e oportunidades que o setor enfrenta.

Além das tendências que estão moldando seu futuro e o impacto que essa modalidade de geração de energia terá na sociedade brasileira.

Descubra como a geração distribuída de energia pode contribuir para um futuro energético mais verde, justo e democrático. 

Continue lendo esse conteúdo que fizemos para você e saiba como essa tecnologia pode mudar a forma como consumimos e geramos energia no Brasil.

Silhuetas de linhas de energia em um pôr do sol para ilustrar o que é energia injetada

O caminho que a geração distribuída fez até aqui

É inegável que à medida que avançamos, a geração distribuída vai ganhando um papel importante e de grande destaque como um dos pilares na transição energética e nas demais transformações do setor.

No ano de 2023, o Brasil atingiu a marca de 26 Gigawatts (GW) de potência instalada, um crescimento de 160% comparado a 2021, quando o país gerou pouco menos de 10 GW de energia, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 

Mas, vamos conhecer um pouco o caminho que essa modalidade fez até chegarmos onde estamos hoje, pois essa história é marcada por avanços tecnológicos, marcos regulatórios e, acima de tudo, a crescente participação da sociedade civil.

Desde os primórdios visionários até se tornar uma realidade cada vez mais presente no cenário energético nacional, a geração distribuída trilhou um caminho difícil, marcado por avanços tecnológicos, marcos regulatórios e, acima de tudo, a força motriz da sociedade civil.

No início, a geração distribuída de energia era vista como uma ideia futurista, um sonho distante de se tornar realidade. 

Mas, como um raio em céu aberto, projetos pioneiros despontaram em universidades e centros de pesquisa, acendendo a chama da mudança. 

Painéis solares em telhados, pequenos aerogeradores e sistemas de biogás dominavam o território nacional, demonstrando o potencial dessa modalidade para diversificar a matriz energética e democratizar o acesso à energia.

Em 2012, um marco histórico: a Resolução Normativa 482/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) abriu as portas para a geração de energia distribuída em larga escala. 

Essa resolução estabeleceu as regras para a conexão de mini e microgeradores à rede elétrica, impulsionando um crescimento exponencial do setor.

Anos depois, a Lei 14.300/2022, conhecida como Lei da Geração Distribuída, consolidou o marco regulatório e deu ainda mais impulso à geração distribuída de energia.

Essa lei criou a modalidade de autoconsumo, permitindo que consumidores gerarem sua própria energia e compensasse o excedente na rede, democratizando ainda mais o acesso à energia e incentivando a sustentabilidade.

A taxação solar, uma sombra que pairava sobre o setor, ameaçava desestimular o investimento em geração distribuída. No entanto, a mobilização da sociedade civil e a atuação incansável de entidades do setor, como a ABSOLAR, acenderam a luz da esperança. 

Em 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela isenção da cobrança do ICMS sobre a energia solar fotovoltaica gerada para autoconsumo, uma conquista histórica que removeu um dos maiores entraves ao desenvolvimento da geração distribuída de energia no Brasil.

E em 2023, um novo capítulo foi escrito na saga da geração de energia distribuída: a Resolução Normativa 1.059/2023 da ANEEL trouxe mudanças significativas para o setor. 

Essa resolução modernizou as regras da geração distribuída, simplificou processos e criou novos mecanismos para incentivar a instalação de sistemas de geração de energia distribuída, impulsionando ainda mais o crescimento dessa modalidade.

A expectativa é que essa modalidade continue crescendo e se tornando cada vez mais acessível e eficiente, contribuindo para a construção de um sistema energético mais sustentável, distribuído e democrático. 

Como será a geração de energia no futuro?

Ao contrário do modelo tradicional e centralizado, onde grandes usinas fornecem energia para longas distâncias, o futuro da geração de energia será descentralizado. Diversos pontos de geração, espalhados por todo o país, alimentarão a rede elétrica, aproximando a produção do consumo e reduzindo perdas.

Nesse cenário, as fontes renováveis, como a energia solar, eólica, biomassa e biogás, terão papel enorme. 

Painéis solares em telhados, turbinas eólicas em áreas rurais e biodigestores em comunidades e empresas se tornarão cada vez mais comuns, diversificando a matriz energética e diminuindo nossa dependência de combustíveis fósseis.

A geração distribuída será a principal força motriz dessa transformação, onde consumidores, empresas e comunidades se tornaram protagonistas da geração de energia, assumindo o controle do seu consumo e contribuindo para a construção de um futuro mais verde e sustentável.

O futuro da geração de energia será marcado pela colaboração e pela democracia, onde plataformas digitais conecta consumidores, geradores e comercializadoras de energia, facilitando a troca de energia e a criação de novos modelos de negócio.

E esse futuro a Sunne já vem fazendo acontecer há 7 anos, ajudando consumidores a se conectarem com geradores de energia renovável, sem a necessidade de instalar seu próprio sistema de energia, sem obras, sem burocracia e sem custos.

Será necessário aprimorar a infraestrutura de rede, investir em pesquisa e desenvolvimento tecnológico, e garantir a inclusão social e a justiça energética. No entanto, as oportunidades são imensas: um futuro mais sustentável, resiliente, democrático e próspero para todos.

Ao democratizar o acesso à geração de energia distribuída, impulsionar o uso de fontes renováveis e promover a colaboração entre todos os atores do setor, a geração distribuída nos permitirá construir um mundo onde a energia seja limpa, acessível e abundante para todos.

Tendências e perspectivas para o futuro da geração distribuída

A geração distribuída está em franca ascensão, impulsionada por diversos fatores que convergem para um futuro energético mais sustentável, resiliente e democrático. 

Essa modalidade, que permite aos consumidores gerar sua própria energia, através de painéis solares, turbinas eólicas ou outras fontes renováveis, representa um paradigma em transformação no setor elétrico tradicional.

Fatores que Impulsionam a geração distribuída de energia:

  • Aumento da consciência ambiental e a busca por soluções energéticas limpas;
  • Avanços tecnológicos e redução de custos das tecnologias de geração distribuída;
  • Mudanças regulatórias e incentivos governamentais que fomentam a geração distribuída;
  • Empoderamento do consumidor, que assume um papel ativo na gestão do seu consumo de energia.

Tendências e Perspectivas para o Futuro da geração de energia distribuída:

  • Integração inteligente da geração distribuída de energia à rede elétrica tradicional;
  • Crescimento de microgrids e comunidades energéticas;
  • Aumento do autoconsumo e da figura do “prossumidor”;
  • Surgimento de novos modelos de negócio e serviços no setor energético;
  • Necessidade de modernização da infraestrutura, regulamentação adequada e garantia da segurança do sistema.

A realidade é que a geração distribuída se apresenta como uma solução promissora para os desafios do setor energético, contribuindo para a diversificação da matriz energética, a redução da emissão de gases poluentes e a promoção da sustentabilidade. 

Democratização do acesso à energia limpa e a crescente participação do consumidor na geração e gestão do seu consumo de energia são pilares fundamentais para a construção de um futuro energético mais justo e equitativo.

A geração de energia distribuída é um movimento em constante evolução que redefine o panorama energético global. 

Tendências e perspectivas para o futuro da geração distribuída indicam um cenário promissor, com um crescimento exponencial da modalidade e a construção de um futuro energético mais sustentável, resiliente, democrático e acessível a todos.

Banner para energia por assinatura é a forma mais inteligente de economizar na conta de luz

Desafios e oportunidades da geração distribuída

A geração distribuída é alternativa promissora no cenário energético global, abrindo caminho para um futuro mais sustentável, resiliente e democrático. 

No entanto, essa modalidade também apresenta desafios que precisam ser cuidadosamente gerenciados para garantir seu desenvolvimento sustentável e sua integração harmoniosa à rede elétrica tradicional.

Desafios da geração distribuída

1. Integração à rede

A integração eficiente da geração distribuída à rede elétrica tradicional é crucial para garantir a estabilidade e confiabilidade do sistema. 

A intermitência de algumas fontes renováveis, como a energia solar e eólica, exige soluções tecnológicas avançadas de gestão de rede e armazenamento de energia para otimizar o uso da energia gerada localmente e minimizar os impactos na rede.

2. Modernização da infraestrutura

A rápida expansão da geração distribuída demanda investimentos na modernização da infraestrutura de rede, incluindo a atualização de sistemas de medição, controle e proteção. 

Essa modernização é essencial para garantir a segurança, confiabilidade e eficiência do sistema elétrico, acomodando o crescente volume de energia injetada na rede por diversos pontos.

3. Regulamentação adequada

A geração distribuída exige um marco regulatório claro, justo e transparente que define as regras para a conexão à rede, tarifas, comercialização de excedentes e outros aspectos relacionados à modalidade. 

Essa regulamentação adequada é fundamental para incentivar o investimento em geração distribuída, garantir a concorrência leal no mercado e proteger os direitos dos consumidores.

4. Custos e financiamento

Apesar da queda significativa nos custos das tecnologias de geração distribuída nos últimos anos, o investimento inicial ainda pode ser um obstáculo para alguns consumidores. 

A criação de linhas de financiamento acessíveis e a implementação de programas de incentivos podem facilitar o acesso à geração de energia distribuída, democratizando o acesso à energia limpa.

Oportunidades da geração distribuída

1. Sustentabilidade Energética

A geração distribuída contribui para a diversificação da matriz energética, reduzindo a dependência de combustíveis fósseis e promovendo o uso de fontes renováveis ​​e limpas. 

Essa mudança no mix energético é fundamental para mitigar os efeitos das mudanças climáticas e construir um futuro mais sustentável.

2. Resiliência do sistema elétrico

A geração distribuída torna o sistema elétrico mais resiliente, pois a geração de energia está mais distribuída geograficamente.

Isso significa que falhas localizadas na rede têm um impacto menor no fornecimento de energia, aumentando a confiabilidade do sistema e reduzindo o risco de apagões.

3. Empoderamento do consumidor

A geração distribuída coloca o consumidor no centro da cena energética, permitindo que ele assuma um papel ativo na geração e gestão do seu próprio consumo de energia. 

Essa mudança de paradigma abre caminho para um mercado de energia mais dinâmico, competitivo e centrado nas necessidades dos consumidores.

4. Desenvolvimento local e geração de empregos

A instalação e manutenção de sistemas de geração distribuída podem gerar renda e emprego local, especialmente em áreas rurais e remotas. 

Além disso, a geração distribuída de energia pode impulsionar o desenvolvimento de novas tecnologias e soluções inovadoras no setor energético.

A geração distribuída apresenta um enorme potencial para transformar o setor energético global, promovendo a sustentabilidade, a resiliência, a democratização da energia e o desenvolvimento local. 

No entanto, os desafios relacionados à integração à rede, modernização da infraestrutura, regulamentação e custos precisam ser cuidadosamente gerenciados para garantir o desenvolvimento sustentável da geração de energia distribuída e sua integração harmoniosa ao sistema elétrico tradicional. 

Ao superar esses desafios e aproveitar as oportunidades que esse modelo oferece, podemos construir um futuro energético mais limpo, justo e próspero para todos.

O futuro da geração distribuída no Brasil

A geração distribuída está em franca ascensão no Brasil, impulsionada por diversos fatores que convergem para um futuro energético mais sustentável, resiliente e democrático. 

Essa modalidade, que permite aos consumidores gerar sua própria energia, seja através de painéis solares, turbinas eólicas ou outras fontes renováveis, representa um paradigma em transformação no setor elétrico tradicional.

O Brasil já observa um crescimento exponencial da geração distribuída, com mais de 18 GW de capacidade instalada até março de 2023

Essa rápida expansão é impulsionada pela crescente consciência ambiental, pela queda nos custos das tecnologias, por mudanças regulatórias e pelo empoderamento do consumidor, que assume um papel ativo na gestão do seu consumo de energia.

No futuro, a geração distribuída deverá se integrar ainda mais à rede elétrica tradicional, através de tecnologias avançadas de gestão de rede e armazenamento de energia. 

Microgrids e comunidades energéticas também ganharão força, promovendo a autossuficiência energética e a construção de um sistema energético mais resiliente.

A rápida expansão da geração de energia distribuída traz consigo desafios como a modernização da infraestrutura de rede, a definição de tarifas justas e a garantia da segurança do sistema. 

No entanto, as oportunidades são imensas, com a possibilidade de um futuro energético mais limpo, democrático e acessível a todos.

Bom, hoje sabemos que a geração distribuída é um movimento irreversível que redefine o panorama energético brasileiro. 

As tendências e perspectivas para o futuro da geração distribuída de energia indicam um cenário promissor, com um crescimento exponencial da modalidade e a construção de um futuro energético mais sustentável, resiliente, democrático e acessível a todos.

Jovens engenheiros trabalhando com projeto de usina de energia e de créditos de energia

Energia solar acessível para todos com a Sunne

A geração distribuída no Brasil desponta como um farol de esperança em meio às crescentes preocupações com a sustentabilidade e os altos custos da energia tradicional. 

E a Sunne, como pioneira neste mercado no Ceará, convida você a se tornar o protagonista dessa transformação!

Com a Sunne, você não precisa investir na instalação de painéis solares para usufruir dos benefícios da energia solar. Através de um modelo de energia por assinatura, você acessa energia limpa, renovável e com economia garantida, sem burocracias ou complicações.

Assinar um plano de energia por assinatura da Sunne é rápido, prático e feito 100% online com planos com diversas opções para atender seu negócio e até mesmo o agronegócio.

O processo simples e seguro, leva apenas alguns minutos para conhecer uma nova forma de economizar todo mês com energia limpa e sustentável, reduzindo o valor da sua conta de luz e aplicando no seu negócio.

Reduzindo sua pegada de carbono e contribuindo para um futuro mais verde e você ainda pode acompanhar na nossa plataforma o quanto já economizou. Sem falar que você tem a flexibilidade de cancelar seu plano a qualquer momento, sem multas ou taxas.

Junte-se à Sunne, acesse nosso site agora mesmo e faça parte da revolução da energia solar no Brasil! O futuro é verde, radiante e acessível para todos.

Banner para incentivo de assinatura de energia por assinatura para usuários interessados