Logotipo Original Sunne
Cédulas dentro de extensão de energia, calculadora e lâmpada para mercado livre de energia

Conheça os 5 principais desafios do mercado livre de energia

O mercado livre de energia abriu suas portas em janeiro de 2024, permitindo acesso a todos os consumidores de alta e média, do chamado Grupo A. Isso significa que empresas de pequeno e médio porte recuperaram seu poder de escolha.

Sim, pois com a entrada no mercado de energia livre, essas empresas podem escolher seu próprio fornecedor de energia, sem precisar depender única e exclusivamente de uma concessionária de energia.

O Ambiente de Contratação Livre (ACL) já é maior que o Ambiente de Contratação Regulada (ACR) em dois estados do Brasil, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). 

A pesquisa ainda revela que atualmente mais de um terço do consumo de energia no país (cerca de 37,2%) já vem do mercado livre de energia.

Esse mercado está crescendo e a previsão é que cresça ainda mais com o passar dos anos até a abertura completa para todos os tipos de consumidores. 

Entretanto, existem desafios que precisam ser superados e você deve ficar informado. Se quiser conhecer mais sobre esses desafios, a Sunne preparou este conteúdo com os cinco principais que podem te ajudar na hora de fazer a sua migração. Boa leitura!

Vista ângulo abaixo de poste de luz para Dicas para fazer a migração para mercado livre de energia

Entenda sobre a abertura do mercado livre no Brasil

Desde 2023, vários consumidores já estavam se preparando para fazer sua migração para o mercado livre de energia na abertura parcial do mercado em janeiro de 2024.

Obter acesso à venda de energia nesse ambiente é a realização de um sonho para pequenas e médias empresas que precisam contratar energia em alta tensão, como padarias, shoppings, entre outros, e que possuem contas de energia que gira ali em torno de R$ 9 ou R$ 10 mil ao mês.

Diferente do que acontecia nos anos anteriores, onde diversos consumidores precisam ficar “presos” ao mercado regulado de energia, lidando com as flutuações e altas tarifas da distribuidora local. 

Por exemplo, antes da abertura parcial do Ambiente de Contratação Livre, somente consumidores com demanda de no mínimo 500 kW podem participar do mercado de energia livre.

Mas, felizmente, para muitos, esse cenário mudou e agora está acessível para todos que possuem uma demanda de energia de no mínimo 300 kW e basta estarem conectados a alta tensão que automaticamente já são “consumidores livres”, consumidores que participam do mercado de energia livre.

Além disso, os fornecedores de energia, aqueles que fazem a venda de energia no ambiente de contratação livre, não terão restrições quanto ao tipo de fonte geradora, conforme ficou estabelecido pelo Ministério de Minas e Energia (MME) com a publicação da Portaria n.º 514/2018.

Ainda com a abertura do mercado livre de energia, os consumidores do Grupo A, que possuem uma demanda menor que 500 kW, são chamados de consumidores livres varejistas.

Isso porque eles migram automaticamente para o ambiente de contratação livre e são representados na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), por uma comercializadora varejista.

Inclusive, a Sunne, que acredita na democratização da energia, ajuda diversos consumidores a se conectarem com comercializadoras varejistas no mercado livre.

Linhas de transmissão de energia para artigo sobre Descubra o que é uma comercializadora de energia

Quais os riscos do mercado livre de energia?

Não precisa pensar muito para perceber que o mercado livre de energia tem diversas vantagens para os consumidores, contudo poucos sabem dos riscos que se pode correr dentro desse ambiente.

O primeiro deles é o investimento inicial necessário para entrar no mercado livre de energia. Por exemplo, é necessário que consumidores façam investimentos para adquirir medidores e sistemas de monitoramento.

Sem falar que o ambiente de contratação livre é um “local” sujeito a flutuações de preços e condições de oferta e demanda.

Outro risco são os custos mensais, é outro risco que o consumidor pode correr, com os custos mensais da transmissão, distribuição e encargos setoriais, que podem variar de acordo com a região e o seu perfil de consumidor.

A contratação menor de energia no mercado de energia livre, deixa a empresa exposta a preços mais elevados no mercado spot de energia elétrica, ambiente onde empresas compram energia para suprir a demanda que não foi contratada.

Essa exposição involuntária também pode levar sua empresa a ter que recorrer ao mercado de energia reserva, utilizado em situações de emergência e que possuem preços ainda mais elevados do que o mercado spot.

Existem outros riscos que você deve ficar atento para não perder seu dinheiro e a Sunne já falou sobre eles aqui no blog, como você pode ver abaixo.

Os desafios do mercado livre de energia

Agora que já sabe mais sobre a abertura do Ambiente de Contratação Livre (ACL) e os seus possíveis riscos, conheça agora os cinco desafios desse ambiente para você ficar alerta e ter informações, porque nunca é demais, certo?

1º Acessibilidade

O mercado de energia livre, implementado no Brasil em 2012, trouxe a promessa de autonomia aos consumidores na escolha de suas fontes energéticas e tarifas. 

No entanto, apesar dos avanços, a acessibilidade ainda é um dos principais desafios para o pleno funcionamento desse mercado, limitando os benefícios para grande parte da população.

Desigualdade socioeconômica, falta de transparência, tecnologia inacessível e falta de educação energética são os principais obstáculos à democratização do acesso à energia.

Famílias de baixa renda, geralmente localizadas em áreas periféricas, enfrentam dificuldades em acessar informações sobre as opções disponíveis, tarifas e processos de mudança de fornecedor.

A falta de clareza nas tarifas e a necessidade de tecnologias digitais para acessar o mercado livre também contribuem para a exclusão social.

Para garantir que o mercado livre de energia cumpra seu papel de democratizar o acesso à energia e promover a sustentabilidade, é fundamental superar esses desafios. 

Políticas públicas que promovam a inclusão social, a transparência e a educação energética são essenciais para garantir que todos os consumidores, independentemente de sua renda ou localização, possam se beneficiar das vantagens do mercado de energia livre.

2º Competitividade

Apesar de prometer um ambiente mais competitivo, ainda enfrenta diversos desafios que impedem seu pleno funcionamento.

Concentração de mercado, barreiras à entrada, desigualdade de informação e falta de transparência são os principais obstáculos à competitividade. Poucas empresas dominam o mercado, dificultando a entrada de novos players e limitando as opções para os consumidores. 

Também a falta de conhecimento dos consumidores sobre as tarifas e serviços, aliada à complexa estrutura tarifária e à falta de clareza por parte das empresas, geram desconfiança e insegurança, impedindo que muitos migrem para o mercado e aproveitem a venda de energia por lá.

Para superar esses desafios e construir um mercado de energia livre verdadeiramente competitivo, é fundamental investir em políticas públicas que promovam a concorrência, a transparência e a educação energética.

Reduzir as barreiras à entrada, garantir a clareza das informações e fortalecer os órgãos de defesa do consumidor são medidas essenciais para democratizar o acesso à energia, impulsar a sustentabilidade e o desenvolvimento de um ambiente mais dinâmico e eficiente para o setor elétrico brasileiro.

3º Proteção do consumidor

A falta de informação, a desigualdade de poder entre consumidores e empresas, a falta de transparência nas tarifas e a falha na fiscalização colocam os consumidores em situação de vulnerabilidade.

Para garantir um mercado de energia livre, seguro e justo, medidas como simplificação da linguagem, fortalecimento dos órgãos de defesa do consumidor, criação de mecanismos de comparação e estímulo à concorrência são essenciais. 

Investir na proteção do consumidor, na transparência e na educação energética é fundamental para que o mercado de energia livre cumpra seu papel de democratizar o acesso à energia, motivar a sustentabilidade e construir um ambiente mais justo e seguro para todos os brasileiros.

4º Regulamentação e fiscalização

A falta de regras adequadas e de uma fiscalização eficaz pode expor os consumidores a práticas abusivas por parte das empresas, como cobranças indevidas, tarifas enganosas e falta de clareza nos contratos.

Para garantir um mercado com menos desafios, é fundamental fortalecer a regulamentação, atualizar as regras, aumentar a transparência, criar canais de denúncia e investir na educação do consumidor. 

A fiscalização também precisa ser aprimorada, com mais recursos, pessoal e infraestrutura para os órgãos responsáveis.

Somente com uma regulamentação robusta, fiscalização eficaz e consumidores conscientes o mercado livre de energia poderá alcançar seu pleno potencial, democratizando o acesso à energia, promovendo a sustentabilidade e construindo um ambiente mais justo e seguro para todos os brasileiros.

5º Infraestrutura e tecnologia

A rede elétrica defasada e a tecnologia desatualizada limitam o crescimento do mercado livre de energia, impedem a entrada de novos players e comprometem a qualidade do fornecimento de energia.

Para superar esses desafios, é necessário investir em modernização da infraestrutura, implementação de sistemas de medição inteligentes, desenvolvimento de plataformas digitais robustas e incentivo à pesquisa e desenvolvimento.

Somente com uma infraestrutura moderna e tecnologia de ponta o mercado de energia livre poderá se tornar um ambiente mais dinâmico, eficiente e inovador, oferecendo a todos os consumidores, opções reais de escolha, preços competitivos, energia de qualidade e contribuindo para a sustentabilidade do país.

Homem segurando tablet para artigo O que não é permitido no ambiente de contratação livre

Entre com segurança no mercado livre de energia e encontre a opção ideal para você!

O mercado livre de energia oferece um universo de opções e tarifas personalizadas para atender às suas necessidades e, claro, também carrega diversos desafios que podem ser superados ao longo dos anos com investimentos em políticas públicas em educação energética, mais tecnologia, infraestrutura, entre outros. 

Mas, como em qualquer novo ambiente, desbravar esse mercado por conta própria pode ser um desafio.

É aí que a Sunne pode te ajudar! Com a nossa ajuda, você tem acesso a uma curadoria completa de comercializadoras varejistas do mercado livre de energia, tudo em um só lugar. 

Simplificamos o processo de comparação de planos e tarifas, te ajudando a encontrar a opção ideal para o seu consumo e perfil de consumo.

Dê o primeiro passo para a economia e a sustentabilidade. Acesse o banner abaixo, adicione suas informações e descubra como podemos te auxiliar nessa jornada rumo ao mercado livre de energia.

Banner para incentivar a migração para o mercado livre de energia e ter energia livre

A primeira Inteligência Artificial do setor de energia!

Descubra em primeira mão como essa plataforma irá revolucionar o setor e os seus resultados.